Câmara aprova selo Árvore do Bem para Municípios receberem recursos para arborização

CNM chama a atenção dos gestores para a prestação de contas de 2012
10/04/2013
Prazo para enviar informações sobre aplicação da receita da área de ensino termina dia 30
11/04/2013
Exibir Tudo

Municípios com uma árvore por habitante poderão ter recursos federais para investir em arborização. A proposta que foi aprovada em caráter conclusivo na Câmara dos Deputados pela Comissão de Constituição e Justiça nesta quarta-feira, 10 de abril, cria o Selo Árvore do Bem.

Conforme a proposta, a concessão do selo dará ao Município prioridade na obtenção de recursos federais nas áreas de Saneamento, Infraestrutura básica, Habitação, Saúde, Educação e Transporte.

Para tanto, o projeto considera apenas as árvores plantadas em vias públicas, como ruas e praças. Além disso, as espécies deverão ser preferencialmente, nativas da região. O texto seguirá para o Senado, a menos que haja recurso para sua análise pelo Plenário da Câmara.

Prorural/PE

Arborização e desenvolvimento
A Confederação Nacional de Municípios (CNM) apoia que os Municípios invistam em arborização, pois significa qualidade de vida para os habitantes e retorno econômico com a atração de mais turistas para a região. Um exemplo é o Município de Maringá, no Paraná, que é considerado o mais arborizado do País. Os bairros arborizados inclusive apresentam diferenças significativas de temperatura. Em São Paulo (SP) já foram verificadas diferenças de temperatura de 8ºC em bairros arborizados.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os domicílios mais arborizados, com árvores em volta dos quarteirões, em calçadas ou canteiros, com exceção de Goiânia (GO) (89,5%), estão nas regiões Sul e Sudeste. Já nas regiões Norte e Nordeste, estão as residências em áreas menos arborizadas. As capitais Belém, com 22,4%, e Manaus, no meio da floresta amazônica, com 25,1%, têm os menores percentuais de arborização.

 

Fonte: CNM / Quarta-feira, 10 de Abril de 2013 – 

https://www.cnm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=22390&catid=34&Itemid=172